quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Aviários devem aumentar em 50% no Cariri com programa do Sebrae



Com as ações do programa Territórios da Cidadania
no Cariri paraibano, o número de aviários no local
pode crescer até 50% em um ano. O maior produtor
do Estado é a região da Borborema, mas o Cariri vem
logo em seguida com alguns benefícios para a agricultura
familiar em cinco municípios. No Nordeste, a Paraíba é
o maior produtor de frango de corte e postura originado
na agricultura familiar, segundo dados da Emater.
Os trabalhadores do campo começaram a ter consultorias
para a avicultura alternativa se consolidar ainda mais no Cariri,
através do trabalho de desenvolvimento sustentável realizado
pelo Sebrae Paraíba. De acordo com a gestora do programa
Território da Cidadania do Sebrae em Monteiro, Maria Madalena
Andrade, o Cariri contribuiu para os trabalhos saírem na frente
porque já havia galpões ou aviários na região desde 2009.
“Temos 40 aviários nos municípios da Prata, Zabelê, Sumé e
Monteiro, com capacidade de produção de até 12 mil aves por
ciclo reprodutivo”, explicou Madalena. Somente com duas cidades
realizando os cursos da área, mais de 10 aviários já surgiram
este ano. Para lidar com a avicultura no Estado, consultorias de
abordagens do mercado privado ao incentivo governamental foram
aplicadas nessas capacitações.
Cerca de 105 mil aves do sistema alternativo e 15 milhões do
industrial são produzidas na Paraíba anualmente. Apesar de números
expressivos, as dificuldades do segmento ainda são grandes. De
acordo com a gestora do projeto de Avicultura Alternativa do Sebrae
Paraíba, Andréa Xavier, a Paraíba conta com 26 associações, oito
grupos em formação e uma cooperativa que atuam na área. Para
ela, um dos principais desafios do setor é o mercado.

Mesmo com essa dificuldade de mercado, a avicultura alternativa é
uma atividade que se desenvolve bem no semiárido. Conforme
Madalena, o trabalho requer pouco investimento inicial. “Os níveis de
tecnologia são acessíveis. Na verdade, a agricultura familiar exige pouco
espaço físico e uma demanda controlada de água”, ressaltou.
Cursos – Os cursos básicos nesta atividade já foram oferecidos nas cidades
de Ouro Velho e São Sebastião do Umbuzeiro no Cariri. Como ação do
Territórios da Cidadania ainda há a formação do Agente de Desenvolvimento
(AD), que aconteceu no município do Congo, no início de julho.
Segundo o programa, 22 pessoas se tornarão ADs para multiplicarem
esses conhecimentos de empreendedorismo nas suas respectivas cidades.
Prata, Amparo, Monteiro, São José dos Cordeiros, Sumé, Serra Branca,
Congo, Camalaú, São João do Tigre, Zabelê, Coxixola, Livramento e
Assunção são as cidades contempladas.
A função do AD faz parte da Lei Complementar 128, artigo 85A, que versa
sobre a “articulação das ações públicas para a promoção do desenvolvimento
local e territorial, mediante ações locais ou comunitárias, individuais ou coletivas”.
Por Agência Sebrae de Notícias

0 comentários:

Postar um comentário